Nos Confinamentos os Cavalos Enfrentam Toda Sorte de Adversidades, Muito Barulho e Gado

Os cavalos que trabalham nos confinamentos de gado nos USA, são como carteiros – não existe nada que possa impedi-los de fazer aquilo que precisam fazer.

Atualmente nos USA existem perto de 11 milhões de cabeças de gado em regime de confinamento.

Este gado está sendo preparado para produzir carne da mais alta qualidade: melhor hamburger, o roast beef mais saboroso e a picanha mais fantástica do mundo.

O trabalho dos cowboys começa antes do amanhecer e vai até depois do anoitecer.

Alguns trazem seus próprios cavalos, mas já existem alguns confinamentos que tem tropa própria.

Os cavalos que são usados para manejar esse gado, passam a maior parte do tempo patrulhando os currais, isto é, curando uma rês doente ou machucada, mudando animais de um curral para outro, etc… O fato é que o gado precisa ser cuidado em qualquer circunstância. Nem a neve, nem a chuva, nem o calor, nem mesmo a escuridão das noites, conseguem abater esses cavalos. Eles são as sentinelas dos currais.

c03Esse tipo de trabalho pode ser qualquer coisa, mas um elemento que ele não tem de verdade é o “glamour”.

É uma rotina, onde muitas coisas acontecem ao mesmo tempo. O movimento é muito intenso; porteiras de ferro que batem violentamente, caminhões imensos passando pelos corredores, distribuindo ração, tratores tirando o esterco dos currais e levando para as esterqueiras etc…

Eles precisam se acostumar com toda essa parafernália e mesmo assim continuar, pois o trabalho precisa ser feito.

No verão o calor é tanto, que dá para fritar um bife em qualquer lugar sem acender o fogo, no inverno as vezes a quantidade de neve é tanta que mal se vê os animais, quando chove, a lama misturada com esterco mais parece um charco fétido. Mas nada disso impede esses cavalos de fazerem o seu trabalho.

Em alguns dias a poeira e o mau cheiro são tão fortes, que fazem você querer usar uma mascara de oxigênio.

Não existe espaço para medos e inseguranças que possam vir de um cavalo mais verde, com menos experiência, ou mesmo, de um cavalo que não foi tão bem Iniciado.

Os cavalos que trabalham nos confinamentos precisam estar sólidos nas manobras da Escola Básica – Parar, Recuar, virar sobre os posteriores (pivots & spins), conhecer as ajudas de pernas, isto é, eles tem que ter muita facilidade em movimentar-se lateralmente. Eles tem que ser capaz de encostar numa porteira para abri-la e fecha-la, apartar na porteira, entrar como uma sombra num lote de 75 cabeças para tirar uma delas ou mesmo fazer o embarque do gado pronto para o frigorifico.

As adversidades do chão onde esses cavalos trabalham são tremendas, ora estão com os pés na lama, ora no esterco, ora num chão tão duro como asfalto.

É muita exigência para um potro de dois ou três anos, diz Kevin Dwyer, gerente do confinamento “Sellers Feeders of Lyons, Kansas. “Precisamos de um cavalo bem domado no sentido da experiência, quer dizer maduro. Por exemplo, além de estar maduro nas manobras da Escola Básica, entre outras coisas, ele precisa saber suportar uma cabeçada de boi nas costelas e não ficar apavorado com isso”.

“No bom cavalo de confinamento, a conformação pode ser até meio grosseira, mas ele precisa ser rústico, forte, ossudo e ter cascos grandes. Tem que ter saúde, mental e física. Ter uma boa índole e uma mente colaboradora é indispensável, pois ele vai ser muito exigido”. Adiciona Dwyer.

Há um tempo atrás as coisas não eram bem assim, qualquer cavalo servia, até que os próprios cavalos foram mostrando que as coisas não poderiam continuar sem um critério, isto é, qualquer cavalo serve. Muitos cowboys se machucavam por causa da falta de conhecimento do bom horsemanship ou por estarem usando cavalos que não tinham a Escola Básica bem feita.

“Naquele tempo, as pessoas que trabalhavam nos confinamentos, nunca possuíam as duas qualidades necessárias para o bom desempenho do serviço. Sempre predominava uma delas, ou eram bons detectores de gado doente ou tinham uma boa“Integração Homem – Cavalo” mas nunca as duas”, diz Jerry Riemann, gerente de operações do confinamento, Brookover Companies of Garden City, Kansas.

Por causa disso e para reduzir as reclamações e injúrias nos seus trabalhadores, vários gerentes de confinamentos tem mandado seus cowboys participarem de Clinicas e Seminários para que aprendam os Princípios Fundamentais do Bom Horsemanship e assim poderem compreender o que é seguro e o que não é seguro quando se trata do trabalho com cavalos.

Nos dias de hoje os confinamentos são lugares que consomem cavalos Bem domados, isto é, Graduados na Escola Básica.

Aqui alguns cavalos que sairam dos Confinamentos para o Esporte:

“Scamper” (Gills Bay Boy) de propriedade de Charmayne James, castanho castrado de 1977 que conseguiu 10 títulos mundiais consecutivos em corrida de três tambores.

Outros cavalos que foram cavalos do ano pela AQHA/PRCA, são “Iceman” (Flits Smokin Dream) laçador de pés de Korey Koontz e “Dutch” (Cody Bar Skip) de propriedade de Tee Woolman’s laça novilhos em rodeios.


Texto: Becky Ohlde
Inspirado: America’s Horse março de 1999
Versão: Borba
Publicado: Revista ABQM

Blog Projeto Doma
blog
Dudi Rédeas
dudi-redeas
Assine nossa Newsletter