A História da Sela Wade

Quando a família de Clifford Wade saiu do leste e foi para o Oregon, trouxe consigo uma sela feita por um seleiro desconhecido.

Tom Dorrance nessa época, morava na região de Wallowa, também no Oregon. Coincidência ou não, era vizinho de Cliff Wade.

Trabalharam juntos por um bom tempo apesar de Cliff ser bem mais velho que Tom. Cliff montava a sela que tinha herdado do pai e era super habilidoso em tudo que fazia. Não importava se o trabalho era arrumar cercas, ferrar cavalos, lidar com o gado ou domar os potros. Tom o admirava muito e não perdia a oportunidade de estar junto dele sempre que podia.

1450300_611803878855371_1505378061_nDe acordo com Dale Harwood, grande seleiro de Idaho, em 1939, Tom Dorrance levou a sela de Cliff para a “Hamley & Company Saddle Shop” na cidade de Pendleton que também ficava no estado do Oregon, e pediu que fizessem uma sela nova copiando a armação da sela velha de Cliff.

Um ano depois, Tom Dorrance, por não estar satisfeito com a sela, voltou na Hamley para fazer algumas alterações na sela. Trabalhou naquela armação com Walt Youngman que na época era conhecido como um artesão de alto nível e fizeram algumas modificações.

Tom Dorrance, foi o primeiro psicanalista empírico de cavalos e essa sela modificada o acompanhou por toda sua carreira.

A Hamley fez mais algumas dessas armações que Tom e Walt desenharam e quiseram chama-la de “Armações Dorrance”, mas Tom quis que lhe dessem o nome de Wade por que foi Cliff Wade quem a apresentou para aquela região. Foi ai então que a “Hamley & Company” começou a fazer algumas selas usando as armações Wade. Em pouco tempo ela era a preferida dos vaqueiros e buckaroos da Região do Great Basin.(norte da Calfornia, Oregon, Idaho, Nevada e Utha.)

Nos anos 50, Dale Harwood, ainda trabalhava como buckaroo nos ranchos do norte de Nevada e Oregon, como tinha muita habilidade para trabalhar com couro, nas horas vagas fazia selas.

Dale Harwood credita ao Ray Hunt a popularização da Wade, por que quando em 1961 ele abriu a sua selaria no sul do Estado de Idaho, Ray pediu que lhe fizesse uma sela Wade. Foi ali que começou a fama das Selas Wade, por que, nas suas clinicas de Iniciação de Potros & Horsemanship, através dos E.U.A., Canadá, e Austrália, Ray começou a usar a sela que Harwood lhe fizera.

No entanto, existem muitas outras razões para que a Wade se mantenha tão popular até hoje. Ela assenta baixo na cernelha dos cavalos promovendo a eles um maior conforto na hora de segurar animais pesados quando laçados. O pito está posicionado mais baixo e por isso não atrapalha a mão do cavaleiro na hora de laçar. Outro aspecto importante é que o pito tem 4,5 polegadas de diâmetro e uma costura proeminente para fora que facilita na hora de “Dally” (enrolar o laço para segurar o animal laçado). Outra vantagem é a maneira como ela assenta lombo do cavalo, permitindo toda sorte de movimentos, sem atrapalhar. Não importa se é subida e ou descida; ela não vai nem para trás nem para a frente. Seu assento é super confortável, os vaqueiros passam grande parte do dia sentados nela.

A sela original construída na primeira armação Wade que Tom usava está hoje com Jim e Luke Neubert. Brian Neubert, trabalhou com Tom por muitos anos e Tom gostava muito dos meninos e em 1989, lhes deu a sua sela de presente. Aquela mesma que foi copiada pela Hamley & Company da sela original de Cliff Wade e depois retrabalhada por Tom e Walt Youngman.

A Wade na Austrália

A introdução da sela Wade na Austrália também tem que ser creditada ao Ray Hunt. Ele sempre usa uma sela finíssima, feita por Dale Harwood, que não só impressiona os participantes das suas clinicas como também alguns seleiros. O fato é que isso exerceu e ainda exerce uma influencia profunda em todos aqueles que freqüentam suas clinicas.

Michael Bethel, famoso seleiro australiano, ficou tão interessado na sela que viajou para os EUA para aprender a refinar o seu trabalho com Dale Harwood, que por sua vez percebeu naquele país um grande mercado em expansão. Em 1992 passou um tempo na Austrália ajudando seleiros e artesãos de armações na arte da construção da sela Wade.

Atualmente a sela Wade é uma das mais populares selas westerns na Austrália. São mais procuradas do que qualquer outro tipo de selas. Combinando as habilidades especiais do artesão Warren Wright nas armações e mais o refinamento de Michael Bethel, cavaleiros e amazonas da Austrália tem aproveitado os benefícios de estar usando uma sela Wade.

A sela Wade no Brasil

Em 1998 Eduardo Borba viu pela primeira vez uma Wade no vídeo “Starting Colts” do Ray Hunt. Em 1999 fez uma clinica com Buck Brannaman em Lewisburg, West Virginia. Buck Brannaman e a maioria dos participantes usava a sela. Foi a primeira vez que viu ao vivo uma Wade e se apaixonou imediatamente por ela.

Em 2000 ele e sua esposa Dudi voltaram para uma clinica do Ray Hunt desta vez na Virginia e novamente a grande maioria das pessoas usando Wade.

Em 2002, o casal novamente voltou aos E.U.A para duas clinicas do Buck Brannaman. Visitaram a “Brigthon Feed & Saddlery” em Brigthon Colorado e conseguiram uma armação Wade.

De volta ao Brasil, Borba escolheu a Selaria Pithon do seleiro Domingos Bello, para cobrir aquela armação e também tentar copiar a armação e começar o seu desenvolvimento aqui no Brasil. Desenvolveram algumas selas que hoje estão espalhadas pelo Brasil afora.

Em 2005 depois de uma clinica de 40 dias com Martin Black, em Jordan Valley, Oregon a Dudi comprou a sela que usou durante a clinica. É uma Wade feminina, chamada Mc Call, mais leve e confortável para as mulheres.

A parir do segundo semestre de 2007 introduzimos no mercado brasileiro, o que ha de melhor em celas para o trabalho, lazer e esporte. A Wade , made in Brazil.

Publicada na Western Horseman – jul/2004 – Mike Laughlinem
Versão e Adaptção Eduardo Borba

Blog Projeto Doma
blog
Dudi Rédeas
dudi-redeas
Assine nossa Newsletter